Síndico profissional – o surgimento do gestor condominial

A profissão de síndico profissional se popularizou muito nos últimos tempos e isso se deve a uma grande variedade de fatores. Dentre eles, a busca por uma mão-de-obra especializada e também o grande aumento na quantidade de construções verticais.

Por isso, vamos entender um pouco melhor esse panorama atual e tentar compreender a importância desse gestor condominial para o mundo moderno.



O processo de urbanização e a verticalização das cidades

Um dos motivos que levou à urbanização de cidades foi o processo de industrialização, que fez com que um número cada vez maior de pessoas se concentrasse em uma determinada região.

O processo teve início com força mesmo entre as décadas de 30 e 40, no século passado.

Um das alternativas que se apresentou no decorrer dos anos para que fosse possível acomodar todas essas pessoas, foi justamente a verticalização dos espaços de moradia.

Mais do que isso, também foi uma forma mais econômica de otimizar o metro quadrado urbano, considerando o alto valor dos terrenos dessas áreas.

Com isso, houve a proliferação de condomínios por todos os grandes centros, amentando muito a densidade de pessoas por região.

É justamente aí que começa a nascer o papel do síndico e ganhar destaque, dando origem a um novo posto na sociedade, afinal, qualquer comunidade, por menor que seja, precisa se organizar adequadamente para o bem-estar de todos.


O surgimento do síndico

Os síndicos surgiram da necessidade de organizar a comunidade condominial, ou seja, o grupo de pessoas que moraria em um mesmo condomínio e dividiria suas dependências.

No princípio, os síndicos eram moradores de alguma unidade, sendo, em sua maioria, proprietários. Para realizar a gestão, não era requerido nenhum tipo de conhecimento técnico ou capacitação.

Com o passar do tempo, os condomínios foram se tornando cada vez maior e mais complexos, exigindo que houvesse uma melhor capacitação por parte de seus gestores, afinal, a tarefa deixava de ser tão simples como anteriormente.

Hoje em dia, além de uma quantidade muito grande de pessoas, os condomínios oferecem áreas comum, churrasqueiras, espaços gourmet, piscina, jardins, quadras e muito mais.

Mais do que isso, é preciso saber lidar com questões como:

· Administração de problemas

· Contratação de serviços gerais ou especializados

· Regras de uso de áreas privadas e comuns

· Normas técnicas

· Legislação geral e aplicada a idosos, animais e mulheres

· Cuidados de proteção de dados

· Obrigações legais, civis, contábeis e fiscais

· Inadimplência

· Muito mais!

Dessa forma, a figura do síndico se faz necessária, mas como um agente especializado, capaz de lidar com todas essas questões.

Contudo, a rotina hoje já é diferente e quantidade de moradores desinteressados em assumir a função só cai a cada ano que passa. Seja pela dificuldade na realização das tarefas, pela grande demanda de tempo pela falta de conhecimento especializado ou mesmo pela rotina, que não permite dedicar tempo a isso.


O nascimento do síndico profissional

Com todo esse cenário, nasce então o síndico profissional, que é uma pessoa externa ao condomínio que tem o dever de gerir ele.

Obviamente, o profissional é remunerado para isso e traz todo o seu conhecimento e experiência para realizar uma gestão condominial eficiente.

Essa é uma profissão que tem um importante papel social, visto que estamos falando de um especialista, que oferecerá uma forma mais elevada de organização social.

Assim, é possível conseguir melhores resultados e ter um condomínio que funciona corretamente!

Essa é a função do síndico profissional, o gestor condominial!




11 visualizações0 comentário