Os desafios do síndico na aplicação de uma gestão condominial sustentável

Gestão condominial sustentável.

gestão sustentável

Com o crescimento das cidades e o estabelecimento cada vez maior das pessoas em condomínio, sejam edifícios ou lotes, a sustentabilidade deve ser observada e implementada, a fim de gerar o menor impacto ambiental possível. Não é uma tarefa fácil, mas pequenas ações diárias podem minimizar os danos.

O síndico já enfrenta grandes desafios na gestão do condomínio, possuindo papel fundamental na conscientização e execução de projetos visando a preservação, tanto do meio ambiente, quanto da área comum.

Primeiramente há de ser realizado um estudo da área do condomínio, do perfil dos moradores, bem como das finanças. Dessa forma, é possível planejar a execução de acordo com a realidade do meio.

Não existe possibilidade de implementar um plano de ação único para os condomínios em geral, tendo em vista as peculiaridades de cada caso. Muitas das ações ficam limitadas à estrutura de construção do condomínio, ficando inviável a sua aplicação.

Visando uma gestão que atenda as necessidades do condomínio e do ambiente em que se encontra, o síndico deve se pautar pelas abordagens da sustentabilidade, quais sejam:


  1. Ambiental

  2. Econômica

  3. Social

  4. Ética

  5. Jurídico política.

Na abordagem ambiental, um dos maiores problemas é o lixo produzido. Se ele não for descartado corretamente, gera poluição e infestação de pragas e parasitas, ocasionando diversas doenças.

O síndico deve fazer campanhas de conscientização dos moradores a fazer o descarte, com a separação do lixo eco do orgânico. Mais do que isso, disponibilizando espaço, sempre que possível, para acondicionamento do lixo reciclável para posterior apropriada destinação final. Deve, também, controlar as obras, fazendo a fiscalização para que sejam acomodados em containers.

Além disso, deve-se primar pela arborização e vegetação, tornando o ambiente mais agradável, por óbvio, respeitando as peculiaridades das espécies escolhidas e do local onde serão colocadas. Na abordagem econômica, deve observar o equilíbrio de custo e benefício, bem como rechaçar o desperdício.