Conheça os principais golpes aplicados em condomínios e como evitá-los


A pandemia intensificou os pedidos por delivery e as visitas em casa. Com o maior número de pessoas transitando dentro e fora dos condomínios, a busca por serviços de segurança privada disparou comparada à mesma época de 2019.



No GRUPO GR, um dos maiores em segurança privada no Brasil, houve um aumento de 5% nas contratações desde o início da quarentena. Vigilantes, vigias, porteiros e controladores de acesso estão entre os cargos mais procurados para garantir a integridade física dos moradores, como comenta Vinicius Freitas, Diretor de Operações do GRUPO GR: “o aumento dos golpes no cenário de pandemia triplicou e motivou a procura por mais profissionais para redobrar a segurança local”.


Além de mais contratações, houve maior interesse por inovação no setor, o que ocasionou o aumento de 600% da procura por soluções de reconhecimento facial, com medição de temperatura e detecção de máscara, GR Face.

A solução usa inteligência artificial para aprimorar a leitura e garantir maior velocidade e assertividade. Utilizado principalmente para controle de acesso, o reconhecimento facial não requer biometria ou o ato de encostar o crachá para liberação de catracas e portarias, o que foi de suma importância num momento em que era importante garantir o maior distanciamento possível.

“O reconhecimento facial é como uma chave individual do morador. O processo aumenta diretamente a prevenção de golpes, evitando falhas de identificação em relação ao suposto morador (invasor). Mas é importante manter um protocolo de segurança, por exemplo a entrada de uma pessoa por vez na eclusa”, explica Freitas.

Ainda na linha de controle de acesso, os bots (diminutivo de robots) funcionam como um assistente virtual para o controle de acesso descentralizado, conduzindo a operação de envio de convites e controle de chegada.