top of page

Como o síndico pode inovar na gestão?

Inovar, focar em inovação tem um papel fundamental. Tecnologias aliadas chegam para desmistificar e inovar a gestão, além de facilitar o dia a dia do síndico.

Administrar um condomínio não é tarefa fácil, ainda mais para um síndico que precisa conciliar carreira pessoal e gestão condominial. É por isso que inovar, focar em inovação tem um papel fundamental. Aliada a tecnologias ela chega para desmistificar e inovar a gestão, além de facilitar o dia a dia desse síndico.


A receita para ser um bom síndico está na sua capacidade de planejamento, disposição, traquejo e principalmente na forma como consegue gerir pessoas. É preciso passar credibilidade e segurança aos moradores, garantindo uma relação de proximidade e de mediação.


Para além de todas essas características essenciais, hoje, um bom síndico também se destaca quando decide inovar na gestão. É assim que ele vai conseguir, através da ajuda de soluções tecnológicas, gerar segurança e economia de tempo e dinheiro para o condomínio.


Mas como o síndico pode inovar?

Abaixo 3 dicas importantes para o síndico inovar, listadas pelo especialista Fábio Quintanilha, que possui uma rede social especializada em gestão condominial @sindicosdevalor.


1 – Repita: a tecnologia deve ser minha aliada


Não dá pra fugir da tecnologia. Hoje em dia e cada vez mais as condotechs e empresas de tecnologia estão simplificando processos e trazendo melhorias para gestores de qualquer área. E não poderia ser diferente com condomínios.


O especialista destaca que é preciso estar ligado nas novidades que surgem todos os dias e que podem dar mais agilidade na gestão, reduzindo custos e também os erros, como é o caso de ferramentas de portaria remota, controle de acesso eletrônico que já gera relatórios, softwares de gestão de manutenção predial, aplicativos para balancetes, documentos e avisos aos condôminos, por exemplo.


E são muitas outras ferramentas que podem auxiliar não só a vida do síndico, mas também dos condôminos. Afinal, quem acha que cuidar do condomínio é função exclusiva do síndico precisa reavaliar seu papel como contribuinte e morador. Estar bem informado e atento às novidades deve ser um papel de troca entre moradores e gestores.


2 – Economia na ponta do lápis


A palavra que todo mundo quer ouvir: economia. Além de automatizar processos e utilizar ferramentas que podem fornecer bons descontos, um síndico – e seus condôminos – devem contratar serviços que ofereçam inovação e segurança. Para Fábio, a nova geração de síndicos deve se preocupar mais em contratar bons e modernos fornecedores executando o papel de verdadeiro gestor, e se envolver menos em tarefas operacionais, já que isso pode e deve ser feito pelos fornecedores.


E como colocar isso em prática? Para o especialista o primeiro passo é “muita pesquisa”, buscar no mercado empresas que tragam soluções e consequentemente economia.


Para essa busca é preciso selecionar empresas já consolidadas no mercado que levem a segurança que o síndico precisa na hora de fazer uma boa contratação.


Utilizar soluções inteligentes no fornecimento de itens básicos faz o condomínio ter um melhor aproveitamento dos seus recursos, além de modernizar e valorizar o empreendimento. Para o síndico também é uma ótima oportunidade para ele criar um case de sucesso na sua gestão e se promover.


3. Fornecedor é pra facilitar, não dificultar


Contratar um serviço pode ser o que se chama no popular “uma faca de dois gumes”. Isso porque quando se contrata um fornecedor espera-se que ele facilite a gestão. Mas nem sempre é isso que acontece.


Fábio Quintanilla explica que para ter certeza que o fornecedor contratado vai contribuir de verdade é preciso primeiramente pesquisar a Certidão Negativa de Débitos da empresa. Depois é importante conhecer a estrutura que ela tem de apoio para o condomínio e canais de atendimento ao síndico e moradores, isso agiliza muito a vida do síndico quando ele precisa acionar o prestador de serviço.


Além disso, é preciso avaliar o feedback de outros clientes, pois é aí que está a chave do sucesso. Outro ponto importante é avaliar a questão dos contratos. Muitas empresas impõem cláusulas que não respeitam o direito do consumidor e até mesmo questões judiciais.


TECNOLOGIA É INVESTIMENTO!

Por mais que exista um custo para a implantação de tecnologias dentro do condomínio, o síndico que for inovar entende esse passo como investimento, lembrando que a tendência é que, depois de algum tempo, esse custo seja diluído, e gere uma verdadeira economia para o local.


Em termo de tecnologias, o síndico inovador deve focar, por exemplo, em:


INSTALAÇÃO de câmeras inteligentes que aumentam a segurança e facilitam a vida dos vigilantes;

COLOCAÇÃO de trancas inteligentes que funcionam conectadas à internet e conseguem gerar relatórios de entradas e saídas dos moradores em áreas comuns;

IMPLANTAÇÃO de reconhecimento facial para controle de entrada de visitantes e moradores.

UTILIZAÇÃO de um sistema para controle de entregas e delivery e de controle de reserva de salão de festas e áreas comuns.

REALIZAÇÃO de reuniões em formato digital. O que possibilita uma maior adesão de todos.


Fonte:

My Cond

85 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page